Ozono e Óleos ozonizada em pele …

Ozono e Óleos ozonizada em pele …

Ozono e Óleos ozonizada em pele ...

Ozono e ozonizada Óleos em Doenças da pele: uma revisão

Editor do Academic: Philip W. Wertz

Abstrato

1. Introdução

Na Seção 2. propomos para rever brevemente a química física de ozonização petróleo e análises necessárias todo o básico para demonstrar a qualidade dos produtos obtidos. Na Secção 3. parece útil para informar os leitores que tanto a pele e mucosas são sensíveis a quantidades excessivas de O 3 gasoso, como existem claras demonstrações de uma variedade de alterações ligadas a uma exposição prolongada. Na Seção 4. vamos então esclarecer os diversos procedimentos adoptados para melhorar a desinfetante e-cura propriedades promotoras de O 3. Finalmente, depois de uma extensa análise de uma cornucópia de propostas, vamos tentar sugerir diretrizes para a futura aplicação médica da tópica ozono e seus derivados (seção 5).

2. Físico-Química de ozonização de petróleo com uma descrição dos métodos analíticos para caracterizar o processo

substratos lipídicos insaturados reagem com insuflado ó mistura gasosa 2 / S 3 que conduz a derivados ozonizados terapeuticamente activas (Figura 1).

Resumidamente, o mecanismo postulado conhecida como reacção Criegee fornece ozono que combina com uma ligação insaturada para formar um ozonido primário inicial, instável, que prontamente se decompõe para formar uma zwitteriões e um fragmento de carbonilo. Em ambiente anidro estes substratos combinam-se para dar o derivado típico trioxolano cíclico.

De um ponto de vista industrial aplicativa, a qualidade geral de derivados ozonizados depende de vários parâmetros, tais como: (i) o tipo e a qualidade dos geradores de ozono; (Ii) as condições de ozonização, em termos de reactores e de tempo, tipo de material e quantidade, a presença de água e / ou catalisadores; (Iii) a eficácia do ozonizador, em termos de concentração de saída O 3, o fluxo de gás, o gás transportador. Quanto a este último, a utilização de grau médico de O 2 em vez do ar é um ponto importante a ser considerado; Na verdade, matéria-prima de ar (contendo cerca de 78% de azoto) utilizado para a ozonização de substratos insaturados poderia conduzir à produção de potencialmente tóxico nitrado subprodutos [7], e a uma diminuição significativa da eficiência ozonização [8]. Outra característica importante é que o óleo ozonizada tem de ser inequivocamente caracterizadas em termos do conteúdo de espécies, bem como a cinética da reacção. Para estes fins, o conhecimento das propriedades físico-químicas dos óleos vegetais ozonizados durante a produção tem grande importância para a sua caracterização e identificação. Para a determinação da qualidade de produtos, ozonizadas técnicas espectroscópicas, a partir de Fourier transformadas infravermelho (FT-IR) e de 1 H e 1 3 C-RMN [9], em conjunto com métodos analíticos como peróxido, acidez, e valores de iodo, bem como por viscometria determinação geralmente são realizados [10].

2.1. Espectroscopia FT-IR

espectroscopia FT-IV é usado para destacar as diferenças nos grupos funcionais durante a ozonização de petróleo, em especial, a diminuição das bandas correspondentes a ambos C = C e = estiramento C-H (por exemplo, óleo de sésamo a 1.654 centímetros – 1 e 3009 centímetros – 1. respe), e o aumento da banda correspondente a ozonido CO alongamento (por exemplo, óleo de sésamo em 1105 cm – 1).

ozonizada amostras podem ser analisadas utilizando dois métodos diferentes. (1) Uma alíquota adequada (geralmente cerca de 2 ?????? L) da amostra é depositada entre dois discos de KBr, evitando a formação de bolhas de ar, então a percentagem de transmitância ou outros parâmetros adequados são medidos na faixa de 4000-800 cm – 1. Spectra são obtidas definindo as somas de verificação apropriadas e resolução mínima (geralmente, 16 a 4 cm – 1. resp.). (2) Uma alíquota adequada (geralmente cerca de 2 ?????? L) da amostra é dissolvida num solvente adequado (de preferência, clorofórmio) e em seguida, a solução é assente no suporte da amostra evitando a formação de bolhas de ar, então a transmitância (expressa como uma percentagem) ou outros parâmetros adequados são medidos na faixa de 4000-800 cm – 1. os espectros são obtidos definindo as somas de verificação apropriadas e resolução mínima (geralmente, 16 a 4 cm – 1) resp..

2.2. RMN Espectroscopia
2.3. Valor de iodo

??????. (1) onde ?????? 1 é o volume em ml de solução de tiossulfato (0,1 M) utilizada para realizar um ensaio em branco, ?????? 2 é o volume em ml de solução de tiossulfato (0,1 M) utilizada para a titulação ea m a quantidade, em gramas, de substância. É, portanto, uma medida do número total de ligações duplas presentes na amostra e por tal motivo, é uma análise química útil para avaliar a redução de ligações duplas, durante o processo de ozonização de óleo, dando informações sobre a 1,2, a formação de 4-trioxolano.

2.4. Valor ácido

??????. (2) onde ?????? é o volume em ml de titulante e ?????? a quantidade, em gramas, de substância.

É representativo do nível de acidez do produto e representa um índice de degradação do sub-produtos que podem ser formados durante o processo de ozonização.

2.5. Valor de peróxido

valor peróxido (PV), é geralmente utilizado como um indicador do avanço e / ou o controlo do processo de ozonização devido à sua simplicidade, rapidez e baixo custo. Além disso, a PV pode ser adequado para a avaliação da estabilidade de ozonídeos óleo vegetal e parece ser muito importante para a distribuição comercial, bem como para a determinação dos melhores modalidades de armazenamento. No entanto, foi necessário padronizar a metodologia para a PV validado.

No presente trabalho, uma análise detalhada das avaliações de PV de derivados lipídicos ozonizados com base em dados de literatura e nossas experiências de laboratório serão apresentados juntamente com as suas possíveis correlações com outras técnicas. Esse relatório permite um conhecimento aprofundado do processo de ozonização de óleos vegetais, bem como dos produtos obtidos, permitindo definir os parâmetros de qualidade úteis para fins industriais. Especificamente, o valor de peróxido (PV) representa a quantidade de peróxido de expressar em miliequivalentes de ó activa 2 contida em 1000 g de amostra.

??????. (3) onde ?????? 1 é o volume em ml de solução de tiossulfato utilizada para a titulação, ?????? 0 é o volume em ml de solução de tiossulfato utilizado para realizar uma peça em bruto, c e a concentração de tiossulfato m a quantidade da amostra (gramas).

S A D × 0 1 0. (4) em que P V S é o PV amostra ozonizada, P V 0 P é a V da amostra não tratada, e OAD significa a dose aplicada O 3 (mg / g).

2.6. Medição de viscosidade

Avaliação A viscosidade é uma técnica útil porque é rápido e pode ser em linha, que dá uma estimativa das ligações duplas presentes na amostra. De facto, o maior tempo a ozonização quanto maior for a viscosidade do produto por causa do desaparecimento das ligações duplas. Além disso, a sua tendência típica pode ser uma ferramenta útil para proporcionar uma avaliação rápida de controlo de qualidade durante todo o processo de ozonização, bem como para decidir sobre o tempo de processo para a obtenção do nível desejado de ozonização da amostra [9].

3. As respostas cutânea a exposição ao ozono Ambiental

Em estudos adicionais, que também foram capazes de demonstrar que a exposição de ratos sem pêlos para O 3 não só destroem os níveis de antioxidantes e aumentar marcadores de oxidação, mas estas moléculas são capazes de induzir respostas de células activas.

Estes efeitos podem ser brevemente resumido como se segue.

4. Pele Respostas relacionada com a idade a exposição ao ozono: cicatrização de feridas

Como mencionado acima, a exposição O 3 também está associada com a activação do factor de transcrição NFkB, que é importante para regular as respostas inflamatórias e, eventualmente, toda a cura de feridas. O 3 exposição aumento dos níveis do fator de crescimento transformante (TGF – ??????), que é um fator crítico no tecido remodelação [35. 36]. Podemos resumir que, embora O 3 como um oxidante, pode estimular a cura de feridas, seria prejudicial em um “ambiente envelhecimento”, devido ao aumento do stress oxidativo, dependente da concentração. Portanto, esses aspectos têm implicações biológicas, bem como práticas e necessárias novas investigações.

5. A aplicação tópica de ozônio em Medicina

Como ozonizada óleos agir permanece uma questão em aberto. Provavelmente, quando a triozonide estável entra em contacto com o exsudado quente da ferida, que lentamente se decompõe em diferentes peróxidos, que se dissolve prontamente em água, provavelmente, gerando o peróxido de hidrogénio que pode explicar o desinfectante prolongado e actividade estimuladora. Se ele estiver correto, este raciocínio implica que devemos ter titulada preparações com alta, média ou baixa concentração de ozonide a serem utilizados durante a fase inflamatória séptico I, regenerando fase II ou remodelação de fase III, respectivamente [2]. Estas fases têm sido relacionadas com os tipos de células que mudam rapidamente e à liberação de citocinas e fatores de crescimento que modulam o processo de cicatrização complexa.

Um método alternativo para o tratamento de úlceras pé diabético é a utilização de terapia de oxigénio hiperbárica (OHB), mas, nesse caso, uma desvantagem é o uso de apenas O hiperbárica 2 e um outro é a necessidade de fechar o paciente na câmara durante duas horas. Os resultados terapêuticos são muito mais modesta do que tópica aplicação O 3, especialmente quando ele está contido em um armário próximo com temperatura controlada por termostato. No entanto, este procedimento requer tempo ocioso consideráveis ​​e, se uma bomba de aspiração não estiver disponível, ele pode contaminar a sala de cirurgia. Por estas razões hoje para limpeza e desinfecção cutânea e infecções das mucosas e lesões devido a muitas causas (como, por exemplo, trauma, isquemia, queimaduras), parece preferível usar de uma só vez água recém-ozonizada e óleo, em seguida, ozonizada, particularmente durante a noite ou pelo condições de repouso.

O processo de necessidades de ozonização de água de água bidestilada e O 3 concentrações que variam de 20 até 1 0 0 ?????? g / m L de gás a ter um rendimento final de 5 até 2 5 ?????? g / m L. respectivamente. O 3 está directamente borbulhado para a água e o gás em excesso é passado através de um dispositivo de desidratação e, finalmente, através de um processo de destruição. Dependendo do volume de água e o fluxo de gás, um período de ozonização entre 5-20 minutos é suficiente para saturar a água com O gasosa 3. De facto, se a água é ultrapura, O 3 dissolve-se fisicamente na ausência de reacções químicas e Se mantidas em uma garrafa de vidro fechada com uma tampa de Teflon, as metades de concentração única depois de 300 horas a 0 ∘ C. no entanto, em 2 0 ∘ C a meia-vida é cerca de 10 horas [45]. Deve-se notar que a água monodistilled permite uma muito mais rápida decomposição O 3 e não é prático. É aconselhado a manter o frasco a 4 ∘ C e a fechar rapidamente a garrafa, a qualquer momento, ou melhor ter um sistema de válvula de modo a impedir perdas de gás. Seria útil para o dispositivo de um procedimento para a manutenção da concentração de O 3 durante tempos mais longos e que está a investigar uma possível procedimento. Por outro lado, a ozonização de qualquer azeite ou girassol requer um tempo muito mais longo e o procedimento tem de ser bem padronizado em termos de fluxo de gás, a concentração de O 3, o volume de óleo, e a temperatura. Como recentemente revisto, pelo menos vinte óleos vegetais diferentes foram patenteados, mas até agora continua a ser impossível definir o seu custo / benefício relativo [46]. Nesta fase, depois de avaliar vários critérios físico, a estabilidade, eficácia e custo, parece que o óleo de sésamo tem várias vantagens em comparação com outros óleos.

Como e quando ozonizada água e óleos são usados? feridas crônicas variam de pé diabético úlceras pútridas e profundas devido à aterosclerose membro, ou trauma e queimaduras. Além disso, ambos quimioterapia e / ou causar desnutrição abscessos imunossupressores, fissuras anais e fístulas, escaras, furunculose, e osteomielite que são difíceis de tratar e muitas vezes não conseguem tratamentos após prolongadas. Cerca de 7 milhões de pacientes nos Estados Unidos são afetados com um custo mais de US $ 25 bilhões anualmente. Vários tipos de desinfectantes, antibióticos, antifúngicos, antiprotozoários, e factores de crescimento são pouco eficazes, porque o metabolismo perturbado e hipóxia local não são modificadas. Várias outras abordagens, como a terapia de vácuo [47. 48], larva terapia [49] e dispositivos para proporcionar uma terapia tópica de oxigénio num ambiente clínico foram propostos e variavelmente usado. Esta última abordagem tem uma razão de ser no sentido em que a oxigenação é reforçada, úteis para activar a proliferação celular e o metabolismo de tecidos isquémicos [50 -52]. No entanto, ele também tem limitações consideráveis, porque é uma terapia pesado, com a actividade de desinfecção mínima e modificações dos mecanismos patogenéticos fundamentais.

Por último, mas não menos importante, os ensaios clínicos em tinea pedis, bem como onicomicose [54. 55] têm sido publicados recentemente e têm demonstrado a utilidade de óleo de girassol ozonizada.

6. conclusões

Referências

  1. F. Werdin, M. Tenenhaus e H.-O. Rennekampff, “tratamento de feridas crônicas” The Lancet. vol. 372, n. 9653, pp. 1860-1862, 2008. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar
  2. P. Martin, “cicatrização de feridas apontando para a regeneração da pele perfeita” Ciência. vol. 276, n. 5309, pp. 75-81, 1997. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar
  3. N. Yamada, W. Li, e W. Li, “o crescimento de células terapia genética fator endotelial derivado de plaquetas para isquemia de membros,” Journal of Vascular Surgery. vol. 44, n °. 6, pp. 1322-1328, 2006. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  4. N. Papanas e E. Maltezos, “Os fatores de crescimento no tratamento de úlceras do pé diabético:? Novas tecnologias, todas as promessas” A International Journal of Wounds Lower Extremity. vol. 6, no. 1, pp. 37-53, 2007. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  5. H. S. Kim, U. S. Nô, Y. W. Han, M. K. Kim, H. Kang, H. O. Kim, M. e Y. Park, “Efeitos terapêuticos de aplicação tópica de ozono sobre a cicatrização de feridas cutâneas aguda,” Journal of Medical Science coreana. vol. 24, No. 3, pp. 368-374, 2009. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  6. G. Valacchi, Y. Lim, I. Zanardi, V. Bocci, e V. Travagli, “Avaliação do efeito do óleo de gergelim ozonizada na cicatrização de feridas usando os ratos SKH1 como modelo”, em Processo do 7º Encontro Mundial sobre Farmacêutica, biofarmacêutica e Tecnologia Farmacêutica. Valletta, Malta, Março de 2010.
  7. A. Napolitano, L. Panzella, M. Savarese, R. Sacchi, I. Giudicianni, L. Paolillo, e M. D’Ischia, “Acid induzida por modificações estruturais de ácidos graxos insaturados e constituintes do óleo fenólico de azeitona por iões nitrito: uma avaliação química, ” Pesquisa Química em Toxicologia. vol. 17, n. 10, pp. 1329-1337, 2004. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  8. R. T. Rappolt Sr. “O gerador de ozono,” Toxicologia clínica. vol. 5, no. 3, pp. 419-425, 1972. Ver em Google Scholar
  9. A. Sega, I. Zanardi, L. Chiasserini, A. Gabbrielli, V. Bocci, e V. Travagli, “Propriedades de óleo de gergelim por detalhada 1 H e 13 C RMN atribuições antes e depois de ozonização e sua correlação com o índice de iodo, valor peróxido, e as medições de viscosidade, ” Chemistry and Physics of Lipids. vol. 163, n. 2, pp. 148-156, 2010. Ver em Google Scholar
  10. I. Zanardi, V. Travagli, A. Gabbrielli, L. Chiasserini, e V. Bocci, “caracterização físico-química de derivados de óleo de gergelim,” Lipids. vol. 43, no. 9, pp. 877-886, 2008. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  11. G. Martinez Tellez, O. Ledea Lozano, e M. Daz Gmez, “Medição de espécies peroxídicas no óleo de girassol ozonizado” Ozono: Ciência e Engenharia. vol. 28, n. 3, pp. 181-185, 2006. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar
  12. D. J. P. Bassett, E. Bowen-Kelly, C. L. Elbon, e S. S. Reichenbaugh, “a recuperação Rato pulmão de 3 dias de exposição contínua a 0,75 ppm de ozono,” Journal of Toxicologia e Saúde Ambiental. vol. 25, n. 3, pp. 329-347, 1988. Ver em Google Scholar
  13. L. Fivez, N. Kirschvink, e N. Kirschvink, “prejudicada acumulação de granulócitos no pulmão durante a adaptação do ozono”, Free Radical Biology and Medicine. vol. 31, no. 5, pp. 633-641, 2001. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar
  14. O. R. Moss, E. A. Gross e E. A. Gross, “toxicidade do trato respiratório em ratos expostos ao ar Cidade do México,” Relatório de Pesquisa 100, Health Effects Institute, 2001. Ver em Google Scholar
  15. L. van Bree, J. A. M. A. Dormans, A. J. F. Boere, e P. J. A. Rombout, “estudo de tempo no desenvolvimento e reparação de lesão pulmonar após a exposição de ozono em ratos,” Toxicologia inalação. vol. 13, n. 8, pp. 703-718, 2001. Ver em Google Scholar
  16. J. J. Thiele, M. G. Traber, R. Re, N. Espuno, L.-J. Yan, C. E. Cruz, e L. Packer, “carbonilos Macromoleculares no estrato córneo humano: um biomarcador para exposição oxidante ambiental?” FEBS Letters. vol. 422, n. 3, pp. 403-406, 1998. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar
  17. G. Valacchi, A. van der Vliet, B. C. Schock, T. Okamoto, U. Obermuller-Jevic, C. E. Cruz, e L. Packer, “de exposição ao ozono ativa respostas de estresse oxidativo na pele murina”, Toxicologia. vol. 179, n. 1-2, pp. 163-170, 2002. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar
  18. G. Valacchi, E. Pagnin e E. Pagnin, “Indução de proteínas de estresse e MMP-9 por 0.8ppm de ozono na pele murina”, Comunicações de pesquisa bioquímicos e biofísicos. vol. 305, n. 3, pp. 741-746, 2003. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar
  19. G. Valacchi, E. Pagnin, A. M. Corbacho, E. Olano, P. A. Davis, L. Packer, e C. E. Cross, “In vivo exposição ao ozono induz respostas antioxidantes / relacionados com o stress no pulmão murino e pele” Free Radical Biology and Medicine. vol. 36, no. 5, pp. 673-681, 2004. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  20. G. Valacchi, A. Pecorelli, M. Mencarelli, E. Maioli, e P. A. Davis, “Beta-caroteno impede marcadores pró-inflamatórios induzida por ozono na pele murina”, Toxicologia e Industrial da Saúde. vol. 25, n. 4-5, pp. 241-247, 2009. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  21. N. Y. Schurer, G. Plewig, e P. M. Elias, “a função do estrato córneo lipídico,” Dermatológica. vol. 183, n. 2, pp. 77-94, 1991. Ver em Google Scholar
  22. N. Y. Schrer e P. M. Elias, “A bioquímica e função dos lipídios do estrato córneo,” Avanços na pesquisa Lipid. vol. 24, pp. 27-56, 1991. Ver em Google Scholar
  23. S. U. Weber, J. J. Thiele, C. E. Cruz, e L. Packer, “vitamina C, ácido úrico, e glutationa gradientes em estrato córneo murino e sua susceptibilidade à exposição ao ozono,” Journal of Dermatology Investigative. vol. 113, n. 6, pp. 1128-1132, 1999. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  24. P. Brenneisen, H. Sies, e K. Scharffetter-Kochanek, “Ultravioleta-B irradiação e metaloproteinases da matriz: de indução via de sinalização para eventos iniciais,” Anais da New York Academy of Sciences. vol. 973, pp. 31-43, 2002. Ver em Google Scholar
  25. L. J. McCawley e L. M. Matrisian “, metaloproteinases de matriz: Eles não são apenas para a matriz mais !,” Current Opinion in Cell Biology. vol. 13, n. 5, pp. 534-540, 2001. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar
  26. V. Koivukangas, M. Kallioinen, H. Autio-Harmainen, e A. Oikarinen, “irradiação UV induz a expressão de gelatinases na pele humana in vivo,” Acta Dermato-Venereologica. vol. 74, n. 4, pp. 279-282, 1994. Ver em Google Scholar
  27. F. Rijken, R. C. M. Kiekens, e P. L. B. Bruijnzeel, “Skin-infiltrante neutrófilos após a exposição à radiação solar simulada poderia desempenhar um papel importante no fotoenvelhecimento da pele humana,” British Journal of Dermatology. vol. 152, n. 2, pp. 321-328, 2005. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  28. S. Suomela, A.-L. Kariniemi, E. Snellman, e U. Saarialho-Kere, “metaloelastase (MMP-12) e 92-kDa gelatinase (MMP-9) assim como os seus inibidores, TIMP-1 e -3, são expressas em lesões psoriáticas,” Dermatologia experimental. vol. 10, no. 3, pp. 175-183, 2001. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar
  29. A. C. A. Devillers, A. W. van Toorenenbergen, G. J. Klein Heerenbrink, P. G. H. Mulder, e A. P. Oranje, “Níveis elevados de matriz de plasma metaloproteinase-9 em pacientes com dermatite atópica: um estudo piloto,” Dermatologia Clínica e Experimental. vol. 32, no. 3, pp. 311-313, 2007. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  30. J. Zhang, Y.-J. Cao, Y.-G. Zhao, Q.-X. A. Sang, e E.-K. Duan, “Expressão de metaloproteinase de matriz-26 e o ​​tecido inibidor de metaloproteinase-4 em células humanas normais citotrofoblasto e uma linha de células de coriocarcinoma, células JEG-3,” Molecular Reprodução Humana. vol. 8, não. 7, pp. 659-666, 2002. Ver em Google Scholar
  31. Q. C. Ele, A. Tavakkol, K. Wietecha, R. Begum-Gafur, S. A. Ansari, e T. Polefka, “Efeitos de níveis ambientalmente realistas de ozono sobre a função do estrato córneo,” Jornal Internacional de Ciência Cosmética. vol. 28, n. 5, pp. 349-357, 2006. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  32. C. B. Ballas e J. M. Davidson, “atraso na cicatrização de feridas em ratos idosos está associada ao aumento remodelação gel de colágeno e contração de fibroblastos da pele, não com diferenças em populações de células em apoptose ou miofibroblastos,” Wound Repair and Regeneration. vol. 9, n. 3, pp. 223-237, 2001. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar
  33. S. Werner e R. Grose, “Regulamento da cicatrização de feridas por fatores de crescimento e citocinas,” Avaliações fisiológicas. vol. 83, no. 3, pp. 835-870, 2003. Ver em Google Scholar
  34. G. L. Grove e A. M. Kligman, “alterações associadas à idade em renovação celular da epiderme humana” Journals of Gerontology. vol. 38, n. 2, pp. 137-142, 1983. Ver em Google Scholar
  35. G. Valacchi e V. Bocci, “Estudos sobre os efeitos biológicos do ozônio: 10. liberação de fatores de plaquetas humanas ozonizados,” Mediadores da inflamação. vol. 8, não. 4-5, pp. 205-209, 1999. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  36. A. Leask e D. J. Abraham, “O papel do fator de crescimento do tecido conjuntivo, uma proteína matricellular multifuncional, em biologia de fibroblastos,” Bioquímica e Biologia Celular. vol. 81, no. 6, pp. 355-363, 2003. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  37. V. I. Bulynin, A. I. Ermakova, A. A. Glukhov, e I.P. Mozhurov, “Tratamento de feridas utilizando o fluxo de uma solução ozonizada sob alta pressão,” Khirurgiia. não. 8, pp. 23-24, 1998. Ver em Google Scholar
  38. P. K. Gajendrareddy, C. K. Sen, M. P. Horan, e P. T. Marucha, “A oxigenoterapia hiperbárica melhora a cicatrização de feridas dérmicas prejudicada-stress”, Brain, Behavior, and Immunity. vol. 19, n. 3, pp. 217-222, 2005. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  39. SENHORA. Byun, K.-I. Jeon, J.-W. Choi, J.-Y. Shim e D.-M. Jue, “duplo efeito do stress oxidativo na activação de NF- B em células HeLa,” Experimental and Molecular Medicine. vol. 34, no. 5, pp. 332-339, 2002. Ver em Google Scholar
  40. A. Leask e D. J. Abraham “, TGF- sinalização e da resposta fibrótica, ” O Jornal FASEB. vol. 18, n. 7, pp. 816-827, 2004. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  41. G. Stoker, “O uso cirúrgico de ozônio,” The Lancet. vol. 188, n. 4860, p. 712, 1916. Ver em Google Scholar
  42. G. Stoker, “O uso cirúrgico de ozônio,” The Lancet. vol. 189, n. 4891, p. 797, 1917. Ver em Google Scholar
  43. E. Hanhart, “ber Ozonbehandlung in der Chirurgie”, Munchener medizinische Wochenschrift. vol. 82, pp. 220-291, 1935. Ver em Google Scholar
  44. H. Werkmeister, “Dekubitalgeschwre und die Behandlung mit der Ozon-Unterdruckbegasung,” em Ozon-Handbuch. Grundlagen. Prvention. Therapie, V-7.1. R. Viebahn-Hnsler, H. G. Knoch, et ai. Eds. pp. 1-22, 2001. Ver em Google Scholar
  45. R. Viebahn-Hnsler, O uso do ozônio em Medicina. ODREI Publishers, 5ª edição, 2007.
  46. V. Travagli, I. Zanardi, e V. Bocci, “As aplicações tópicas de ozono e óleos ozonizados como agentes anti-infecciosos: uma visão sobre as reivindicações de patentes,” Patentes recentes sobre anti-infeccioso Drug Discovery. vol. 4, não. 2, pp. 130-142, 2009. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar
  47. S. H. Wu, P. J. Zecha, R. Feitz, e S. E. R. Hovius, “terapia de vácuo tal como uma fase intermédia no fechamento da ferida: uma experiência clínica,” European Journal of Plastic Surgery. vol. 23, n. 4, pp. 174-177, 2000. Ver em Google Scholar
  48. M. van den Boogaard, E. de Laat, P. Spauwen e L. Schoonhoven, “A eficácia da pressão negativa tópica no tratamento de úlceras de pressão: uma revisão da literatura,” European Journal of Plastic Surgery. vol. 31, no. 1, pp. 1-7, 2008. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar
  49. S. Hunter, D. Langemo, P. Thompson, D. Hanson, e J. Anderson, “terapia da larva para o tratamento de feridas,” Avanços na pele Tratamento de Feridas. vol. 22, no. 1, pp. 25-27, 2009. Ver em Google Scholar
  50. G. M. Gordillo, S. Roy, S. Khanna, R. Schlanger, S. Khandelwal, G. Phillips, e C. K. Sen, “terapia de oxigénio tópica induz a expressão do factor de crescimento endotelial vascular e melhora o encerramento de feridas crónicas clinicamente apresentados,” Clinical and Experimental Pharmacology and Physiology. vol. 35, no. 8, pp. 957-964, 2008. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  51. G. M. Gordillo e C. K. Sen, “recomendações baseadas em evidências para o uso de terapia tópica de oxigênio no tratamento de feridas dos membros inferiores,” A International Journal of Wounds Lower Extremity. vol. 8, não. 2, pp. 105-111, 2009. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  52. C. K. Sen, G. M. Gordillo, e G. M. Gordillo, “feridas de pele humana: uma ameaça maior e bola de neve para a saúde pública e para a economia”, Wound Repair and Regeneration. vol. 17, n. 6, pp. 763-771, 2009. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  53. V. Bocci, E. Borrelli, V. Travagli e I. Zanardi, “O paradoxo de ozono: o ozônio é um oxidante forte, bem como um medicamento,” Medicinais Avaliações de Pesquisa. vol. 29, no. 4, pp. 646-682, 2009. Ver no Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed
  54. S. Menndez, L. Re, Re e L., “Segurança de Oleozon tópica no tratamento de tinea pedis: ensaio clínico de fase IV,” Jornal Internacional de terapia de ozônio. vol. 7, n °. 1, pp. 55-59, 2008. Ver em Google Scholar
  55. S. Menndez, L. Falcn, e Y. Maqueira, “A eficácia terapêutica de topicamente Oleozon em pacientes que sofrem de onicomicose,” micoses. Na imprensa. Vista em Publisher · Ver em Google Scholar · Ver em PubMed

posts relacionados